Arquitetura hospitalar: projetos flexíveis e individuais

Pensar em uma edificação de saúde vai muito além do conhecimento técnico científico da engenharia e da arquitetura para as construções. Com uso e características bem particulares, cada projeto de saúde é precedido de um trabalho minucioso de pesquisa, estudo, conhecimento para, enfim, ganhar vida. “Há leis e regras específicas para o setor, há as necessidades dos usuários que vão circular por lá, neste caso pacientes e profissionais da saúde em geral, há a questão da assepsia e da flexibilidade para que aquele estabelecimento se atualize ou amplie quando for necessário”, cita Eduardo Nishitani, arquiteto da Pró-Saúde.

Atuando na área há mais de 10 anos com experiência em projetos dos mais diversos portes, Eduardo cita aspectos que sempre precisam ser pensados para atender às necessidades da edificação: contexto urbano, cultural e social de onde foram implantados, legislação vigente, uso de materiais especiais e existência de um plano diretor. “Um hospital nunca pode ser uma obra fechada, ele deve ser pensado e projetado para se atualizar sempre que necessário, pois os serviços de saúde estão em constante evolução”, pontua Eduardo.

Conhecer o cliente, a necessidade real da cidade ou mesmo do bairro é fundamental em vários aspectos. “Um estabelecimento de saúde é, antes de tudo, uma prestação de serviços à sociedade. É imprescindível saber se aquele serviço é necessário, em que medida, com quais características e de que porte. Se não for economicamente viável, será um elefante branco. E isso não pode acontecer nem na esfera pública nem na privada”, destaca o arquiteto.

Como muitos são os aspectos levados em consideração, a Pró-Saúde atua de forma multidisciplinar. “É unindo conhecimentos e experiências que alcançamos a excelência nos projetos. Cada qual com seu saber contribui para que aquela edificação projetada tenha sucesso em todos os âmbitos: no atendimento ao paciente, na viabilidade econômica, na flexibilidade para se manter sempre atualizado, na segurança, no respeito à legislação e até no que se refere ao trânsito de veículos e pessoas no entorno. Muitos são os fatores que impactam na comunidade, trabalhamos para que isso seja sempre positivo”, diz.

Seja uma clínica, um laboratório, um hospital, uma unidade básica de saúde, todas as edificações de saúde precisam de projetos bem estruturados e inteligentes. Nem só de paredes, portas e janelas se faz uma construção. “Estacionamento, circulação de pessoas, fluxos, áreas limpas e área de acesso restrito, natureza do atendimento, projetos visuais para comunicação eficiente, controle de acesso para a segurança. Há uma série de recomendações que seguimos que são bem específicas da área da saúde”, conclui Eduardo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container {background-image: url(http://prosaude.arq.br/wp-content/uploads/2018/03/interna-fundo.jpg);background-size: cover;background-position: center center;background-attachment: scroll;background-repeat: no-repeat;}#stuning-header div.page-title-inner {min-height: 370px;}