Diagnóstico por imagem e a complexidade na instalação dos equipamentos

A complexidade dos exames de diagnóstico por imagem, como ressonância magnética e tomografia computadorizada, não está apenas na tecnologia do equipamento em si. Toda a estrutura montada para recebê-los precisa estar de acordo com as regras e normas para que sejam eficientes. Justamente por isso, quando um edifício de saúde é projetado, o espaço onde serão instalados estes equipamentos tem atenção especial.

A ressonância magnética é um dos desafios. Por gerar um campo magnético muito forte, há vários passos a serem seguidos. “O estudo começa na escolha do local onde este equipamento será instalado. A Ressonância Magnética tem várias peculiaridades que precisam ser respeitadas, a começar pela distância mínima que o isocentro do magneto (corpo da máquina) precisa estar de locais com massas metálicas em movimento, como elevadores e veículos (carros, ônibus, ambulâncias). Respeitar essas distâncias é fundamental. Para quem não sabe, este equipamento funciona como um imã gigante e, justamente por isso, pode sofrer interferências de massas metálicas”, descreve Eduardo Nishitani, arquiteto da Pró-Saúde.

Do ponto de vista técnico, há muitos pontos que são observados pelo profissional habilitado para projetar o espaço. “O equipamento de ressonância precisa ser blindado, ele gera dois tipos de energia que não podem sofrer interferência. Há os pulsos de radiofrequência que podem interferir ou ser interferidos por equipamentos eletrônicos, como televisões e celulares, e um campo magnético que precisa ser homogêneo para a qualidade do exame. Para isto, o local onde está instalado o equipamento também deve contemplar a blindagem. Podemos fazer isto com o uso da gaiola de faraday, uma cabine de radiofrequência, uma grande caixa de alumínio que envolve o ambiente e impede que ondas de radiofrequência externas entrem e interfiram na geração dos sinais e funcionamento da ressonância”, descreve. A sala onde o equipamento está deve ser livre de cimento, cal ou gesso, o piso precisa estar rebaixado em relação ao piso da porta, internamente ele precisa estar nivelado de acordo com as especificações do fabricante. São muitos itens que constam no projeto.

A temperatura ambiente é outro ponto de atenção. “A climatização é fundamental, há temperaturas exigidas pelo fabricante que precisam ser mantidas. Projetar o espaço para os equipamentos de ar condicionado é de suma importância. Por vezes o hospital ou clínica é construído em partes e a sala dos equipamentos de imagem fica para um segundo momento da obra. Se antecipar deixando os espaços certos para sala de exames e outras obrigações, como os equipamentos de ar condicionado, é fundamental”, cita.

Eduardo pontua que até o caminho que o equipamento irá percorrer até a sala precisa ser previamente pensado. “É um equipamento de grandes dimensões, por isso não vai passar em portas e corredores estreitos e pode afundar os pisos. Quando ela é instalada após a conclusão de uma obra pode ser necessário quebrar paredes para que o equipamento entre no espaço”, diz.

Com tantas especificidades, o projeto para a sala de exames por imagem é realizado em várias mãos. “Trabalhamos com uma equipe multidisciplinar, tendo parceiros em diferentes áreas do conhecimento que se unem a nós nesta tarefa. São equipamentos caros que precisam ter a devida atenção dos profissionais envolvidos no projeto”, afirma Eduardo.

Your email address will not be published. Required fields are marked *

div#stuning-header .dfd-stuning-header-bg-container {background-image: url(http://prosaude.arq.br/wp-content/uploads/2018/03/interna-fundo.jpg);background-size: cover;background-position: center center;background-attachment: scroll;background-repeat: no-repeat;}#stuning-header div.page-title-inner {min-height: 370px;}